Leve, “Budapeste” é para quem ama as palavras

O personagem José Costa, do livro “Budapeste”, de Chico Buarque, experimenta muitas sensações que um dia um escritor pode vir a sentir: as delícias da fama, o vazio do anonimato, o poder da inspiração, a agonia da apatia, sem falar do prazer de combinar palavras com tanta maestria que acabam por alcançar o mais profundo do ser – do seu próprio ser e o do leitor – nada é mais lindo para quem escreve…

Não raro também essas mesmas palavras podem jamais passar da superfície. Seja como for, algo, no entanto, parece inegável: palavras fortalecem laços de afeto e dão sentido às histórias que vivemos – tanto faz se pela fala ou pela escrita. Sim, Roland Barthes tinha razão: “somos donos e escravos da linguagem”. Embora, desempenhando qualquer um dos papeis, não tenhamos nenhum controle sobre eles. Por que ler “Budapeste”?

Chico_Buarque_Budapeste_Livro_Fausto

Pelo drama aparentemente estranho e até divertido de José Costa. Ele é uma figura! José Costa é um ghost-writer talentoso que mantém uma empresa com seu amigo de faculdade, o Álvaro Cunha. O amigo é mais habilidoso para os negócios do que para a escrita, e esse é exatamente o papel que desempenha. Álvaro é quem torna os textos de Costa os mais célebres dos jornais, uma vez que os vende para políticos importantes, gente de renome na sociedade carioca, e até estrangeira.

Mas por acaso José Costa vai parar na capital húngara. O voo que o tirou de Istambul, onde tinha ido a um congresso de escritores anônimos, precisou fazer uma imprevista escala em Budapeste. E foi o breve contato com o idioma húngaro que mudou completamente sua vida.

Escrito por Chico Buarque, livro “Budapeste” é o terceiro de sua carreira e ganhou o Prêmio Jabuti como Melhor Livro de Ficção, em 2004. A leitura é leve, perfeita para quem ama as palavras e as degustam como os enófilos aos vinhos, além do texto ser deliciosamente criativo.

José Costa então se apaixona pelo húngaro. Ou apenas se sente desafiado a dominá-lo. E o que o personagem faz para aprender “a única língua do mundo que, segundo as más línguas, o diabo respeita”, como Chico brilhantemente a definiu, prega os olhos do leitor em suas páginas.

Ao pé da letra, digamos que a história tem idas e vindas inconcebíveis para uma pessoa “comum”. Não, porém, para aquele que se sente mais confortável em seu próprio mundo, aquele que é cheio de palavras, mesmo quando o mundo externo é perfeito. José Costa é muito bem casado com Vanda, uma apresentadora de telejornal a quem diz amar, mas essa é outra história dentro de “Budapeste”. Ou longe de Budapeste…

Chama a atenção também o talento de Chico Buarque com as palavras. Chega a ser ridículo citar isso. Ironicamente, não é possível descrever Chico sem lugares-comuns. Em “Budapeste” é possível ver a mesma paixão e erudição do Chico das canções. Quanta poesia em uma prosa, quanto romance e loucura em um homem tão, tão aparentemente comum.

***
LEIA TAMBÉM:
THEODORE DALRYMPLE – AQUELE QUE RELEMBRA JEKYLL E HYDE

MARIO PRATA, UM GRANDE BRASILEIRO

Fausto_Facebook_Botão

Eliana de Castro Written by:

Jornalista pós-graduada em Cultura pela FAAP, é mestranda em Ciência da Religião pela PUC-SP. Contato: eliana.faustomag@gmail.com

Comments are closed.