Mario Sergio Cortella: “Agregar pessoas de perspectivas diversas é pedagogia política”

Aos 62 anos, Mario Sergio Cortella é uma das personalidades mais apreciadas pelos jovens brasileiros. Caem alguns paradigmas: ele não é esportista, artista ou celebridade momentânea. Mario Sergio Cortella é filósofo. De um VHS dos anos 1980 para o YouTube, a palestra Você sabe com quem está falando? já foi vista por mais de 1 milhão e 300 mil pessoas. Segundo o escritor, de cada dez jovens que leem seus livros, nove o conheceram pela internet. Cortella é um fenômeno de vendas em um mercado nem sempre lucrativo, um dos maiores palestrantes do país e presença constante em programas de TV e rádio de grande audiência. Os holofotes, contudo, costumam não garantir proteção aos que fascinam, por isso o seu nome não tardaria a ser perseguido por adjetivos ambíguos. Sobre todos eles e os lançamentos Por que fazemos o que fazemos e Verdades e Mentiras – Ética e Democracia no Brasil – título em parceria com o historiador Leandro Karnal e o filósofo Luiz Felipe Pondé, mediados pelo jornalista Gilberto Dimenstein – o professor que já foi Secretário Municipal da Educação e passou pela PUC-SP, Fundação Dom Cabral e FGV, conversa com exclusividade com a Fausto. Abra-se para este diálogo!

mario-sergio-cortella-entrevista-fausto
Fausto: Por que intelectuais que vendem milhares e milhares de livros costumam ser chamados de superficiais?
Mario Sergio Cortella: Podemos ser superficiais, no sentido de possibilidade, mas não de obrigatoriedade. Muitas vezes, minha superficialidade resulta de um deslize; em outras é apenas opinião de outra pessoa. Mas minha capacidade de esforço, como a de outros intelectuais, é a de ser didático sem ser didatista, de ser claro e de tirar a filosofia do campo do esoterismo. A filosofia tem de ser lembrada como aquela que nasce na praça. Quando me perguntam se escrevo livros de autoajuda, digo: “Claro, faço livro de filosofia. O lema socrático é ‘conheça-te a ti mesmo.’” O que mudou na história não foi a concepção de filosofia, mas a concepção de autoajuda. A filosofia continua sendo uma via de autoconhecimento. Há, sim, esse tipo de objeção, mas não me incomoda. Em alguns momentos me alerta; em outros, me ensina. Não deixo de ser superficial em determinadas situações na intenção de ser didático. Na TV, por exemplo – e faço questão de ir aos programas que chamam de “populares” – é comum o produtor pedir que eu não use palavras difíceis. E respondo: “Vou usá-las, a diferença é que vou explicá-las”. Se não as uso, desprezo quem assiste, na ideia de que tolo sendo, tolo tem de ficar. Algumas pessoas confundem essa capacidade de ser didático com superficialidade. Mas nenhum de nós está imune a ter a profundidade de um pires.

Jovens que não costumam ler, ou leem pouco, hoje reconhecem o seu sobrenome, assim como os de seus colegas. O interesse de pessoas cada vez mais jovens por questões filosóficas está revelando algo em especial?
Está revelando uma coisa inacreditável de boa, que é o mundo digital e sua capacidade de potencializar uma expressão que não é meramente escrita. De dez jovens que leem os meus livros, com menos de 30 anos, para nove deles o acesso inicial foi pela internet. Ou seja, não pelo texto, mas pela fala. Tenho um vídeo que circula na internet que se chama “Você sabe com quem está falando?”. É, inclusive, uma palestra em que desenho com retroprojetor. Boa parte desses jovens não tinha nascido quando fiz essa palestra. Ou seja, era uma mídia secreta. Hoje, com o mundo digital, um passa para o outro, que passa para o outro, e a visibilidade só aumenta. Por outro lado, uma parcela desses jovens vem lendo cada vez mais porque a existência do Facebook, do Twitter e dos blogs faz com que ele abra outros campos de interesse. Mas há uma terceira razão. A geração que nasceu a partir do final dos anos 1990 é extremamente angustiada com a vida interditada, aquela em que é preciso encontrar no mundo virtual um pouco de segurança, porque o mundo real é absolutamente inóspito. Conversas sobre o sentido da vida, porque faço o que faço, por que as coisas são como são – questões que parecem apenas do campo da filosofia – hoje entraram no cotidiano das pessoas.

Vê como uma tentativa de desdenhar a posição de destaque que alcançaram quando os nomeiam como pensadores “pop”?
Muitas vezes sim, mas muitas vezes também vejo como afago. Às vezes sou xingado nas redes sociais, mas há 30 anos éramos xingados de “filósofos”. Outro xingamento mais forte era: “Você é um intelectual!” Isso é um preconceito que nasceu em Napoleão Bonaparte. Ele começou a usar a palavra intelectual como sinônimo de inutilidade para desqualificar aqueles que ajudaram a construir o ideário da Revolução Francesa. O xingamento vem quando, por exemplo, sou chamado de “queridinho da mídia”. Esse é um epíteto que se usa em relação a mim. Há uma suposição de que a mídia é malévola e qualquer intelectual que ultrapasse a barreira da academia e tenha parceria com a mídia também o é. Quando Max Weber escreveu O Político e o Cientista, ele fazia uma distinção entre os dois territórios. Alguns de nós gostamos de fazer pontes entre esses territórios.


“Alguns que são contra mim, deixo de lado porque é mera inveja, representam aquilo que o grande Tom Jobim dizia, que no Brasil o sucesso é considerado uma ofensa.”

Mario Sergio Cortella

Nesses 42 anos de atuação como docente e comunicador, em algum momento esses “xingamentos” incomodaram?
Nos primeiros 20 anos na área da filosofia, todos nós tínhamos um prurido imenso de sermos chamados de filósofos porque isso dava uma conotação arrogante. Até hoje, pensadores muito bons no Brasil preferem ser chamados de professores de filosofia. Eu, nos últimos 10 anos, perdi o tipo de anteparo que eu tinha em relação a isso por entender que era algo que bloqueava o estímulo a outras pessoas que queriam estudar filosofia. Na medida em que uma parte de nós se tornou ídolo, em um país em que parcela dos ídolos advém do esporte, da arte dramática ou do campo da celebridade momentânea, colocar-se como alguém da área de filosofia ou ser chamado de filósofo faz com que eu tenha um prazer muito grande de ouvir: “Estou estudando filosofia por sua causa.” Obviamente, ser chamado de filósofo exige uma densidade maior do que umas coisas que eu mesmo faço. Dos meus 30 livros publicados, tenho clareza de que livros de filosofia são 7, 8; os outros estão na área da educação, da filosofia da educação, alguns no campo da ciência da religião e uma parcela é uma análise antropológica do cotidiano, sem que eu seja antropólogo.

Realizar um trabalho com colegas que têm posições políticas diferentes das suas – como no caso do livro “Verdades e Mentiras” – é uma iniciativa que propõe um diálogo saudável neste momento tão polarizado de nossa história?
Este livro é um manifesto. Não no sentido de proclamação de ideias exclusivas, mas para dizer: “humanas e humanos, cessemos”, em relação a esse inútil confronto que se inicia pela negação do diálogo. As pessoas iniciam uma conversa pelo fim: “De que lado você está?” Isso é o fim de uma conversa, depois de uma conclusão. Por isso, sentar-me com pessoas que não têm a mesma convicção que eu no campo da ação social e da política partidária, não é apenas postura de alguém flexível, é tarefa pedagógica. Para outras pessoas e para mim mesmo. Não deixo de ler pessoas com as quais não concordo. Seja porque fundamento aquilo que penso ou para que eu corrija e oriente aquilo que penso. Alguns que são contra mim, deixo de lado porque é mera inveja, representam aquilo que o grande Tom Jobim dizia, que no Brasil o sucesso é considerado uma ofensa. Agregar pessoas que têm perspectivas diversas é pedagogia política, um dever social. Eles também são reconhecidos na mídia como pensadores. Que sejamos capazes de mostrar algo decisivo: a possibilidade de ter conflito, sem ter confronto.

Por exemplo, na organização desse livro, o Pondé de maneira muito inteligente, foi com uma camiseta da Antiga União Soviética. Isso é de uma inteligência imensa. Não porque ele é capaz de fazer uma provocação, porque não somos soviéticos, mas de fazer uma brincadeira, com uma inteligência imensa. Ele brinca comigo que nós temos um pacto, e isso está no livro. E é verdade. Como ele não acredita que haverá um mundo melhor, e eu acredito, o pacto é: no dia que tiver eu o levo comigo. Essa convivência é harmoniosa, sem ser hipócrita, tem a presença do diferente sem que signifique o confronto. Mahatma Gandhi disse uma coisa que repito sempre: “Olho por olho, e o mundo acabará cego” Nos cansou imaginar que as pessoas supõem que o diferente tem de ser distante.

Circula a impressão de que vocês só pensam em ganhar dinheiro…
Alguns dos meus livros vendem bem. Outros nem tanto. E não considero ofensivo. Todos eles resultam da dedicação à profissão. Claro que há uma série de circunstâncias que favoreceram isso, mas como lembra Maquiavel em O Príncipe, você encontra a ocasião com a virtude, com a capacidade. Todos que mencionamos aqui têm carreira acadêmica. O duro é quando a gente se mete a ser intelectual não sendo. Tenho uma trajetória, como o Pondé, o Karnal e o Clóvis têm. Essa perturbação em alguns resulta de outra concepção do que é o trabalho acadêmico. Mas não acho necessariamente tola ou malévola, essas pessoas apenas pensam de outro jeito.

O livro Por que fazemos o que fazemos, está na lista dos mais vendidos da Veja. Esse livro não foi lançado ainda e em 20 dias já está na quarta edição. Por que estou dizendo isso? Em cada edição é quase 15 mil exemplares. Em livros acadêmicos, normalmente, a edição é de 3 mil exemplares. Muitas vezes demora de 5 a 10 anos para que ele saia. Houve uma coincidência, a de que algumas pessoas lançaram suas redes nessa direção, que foi a da popularização do pensamento filosófico em várias camadas sociais.

Outro exemplo é a Casa do Saber, que leva parcela da elite a estudar um pouco de filosofia. Há sim uma demanda por filosofia, principalmente pelo esgotamento que o mundo tecnológico causa. Há certa exaustão em relação a esta comunicação contínua, a esse viver em voz alta, que faz com que a possibilidade de pensar além do óbvio possa vir à tona. Pode ser que daqui a 100 anos, esse grupo de pensadores nem se constitua de fato com uma memória histórica. Mas neste momento, tem uma significação. É referência, é reflexão, não necessariamente estamos certos. Às vezes sim, em outras não.

E lidem com isso?
Claro, faz parte do processo. Não me considero privilegiado por fazer parte dessa trajetória, mas ela é intencional. Nenhum de nós, intelectuais públicos, está nesse circuito sem tê-lo desejado. Tenho livros que venderam 500 mil exemplares e outros que venderam 5 mil, depende da temática.

Em seu mais recente livro Por que fazemos o que fazemos, o senhor faz uma reflexão interessante sobre a expressão “valer a pena”, como sendo um suplício, um castigo… O que não vale a pena no debate público?
Não vale a pena aquilo que ofende a dignidade da outra pessoa. Não vale a pena driblar a etiqueta. Não vale a pena, sendo alguém que domina a arte do debate, utilizá-la para humilhar o outro. É necessário que numa discussão haja uma virtude que os antigos sempre desejaram: a piedade. Os deuses nunca admitiram que não houvesse piedade. Aquiles morre na Guerra de Tróia porque praticou impiedade. O que é a pessoa que tem piedade? É aquela que derrota sem ofender, que ultrapassa sem humilhar, que supera sem esmagar. Não vale a pena a vitória a qualquer custo.
***

LEIA TAMBÉM:
Luiz Felipe Pondé: “Deus é o maior personagem da literatura ocidental”

Leandro Karnal: “Lúcifer é um espelho do humano”
botao-curtir-facebook

Eliana de Castro Written by:

Jornalista pós-graduada em Cultura pela FAAP, é mestranda em Ciência da Religião pela PUC-SP. Contato: eliana.faustomag@gmail.com

Comments are closed.