O Abutre e o espetáculo que se tornou a vida e a morte

Se Louis Bloom fosse uma pessoa real, e vivesse entre nós, possivelmente o acharíamos um tremendo de um esquisito. Logo no início de O Abutre, já dá para perceber que o personagem fabuloso, interpretado por Jake Gyllenhaal, estica ao máximo a ideia de uma pessoa “normal”. Até porque, afinal, como é mesmo uma pessoa normal? Quem é normal? Mas, até que o filme acabe, é verdade que o espectador se surpreenderá muitas e muitas vezes com o moço.

O que é ótimo, do ponto de vista narrativo. O filme prende, causa indignação. Dirigido por Dan Gilroy, a produção concorreu injustamente em uma única categoria no Oscar 2015 – a de Melhor Roteiro Original.

É que a história de Louis Bloom é mesmo para mais do que uma única indicação. Poderia ter concorrido como Melhor Filme e Melhor Ator. Sem falar que se trata de uma crítica muito atual sobre o mundo “invasivo” no qual vivemos.

O_Abutre

Louis Bloom está sem trabalho. Com dificuldade para conseguir novo emprego, percebe num corriqueiro acidente de trânsito, na noite de Los Angeles, a chance de mudar sua vida. Ao observar um cinegrafista amador capturando cenas do acidente – e no breve diálogo que travam, quando descobre que essas imagens serão vendidas a um canal de televisão – Louis conclui ser capaz de encarar o trabalho e propõe ao videomaker ser seu assistente. O profissional declina e Louis decide então comprar a própria câmera e começa como freelancer.

Madrugada adentro, todos os dias, sem descolar os ouvidos de radioescutas da polícia, Louis entende que só ganha quem chega primeiro e quem for frio o suficiente para se aproveitar ao máximo da tragédia do outro. Daí vem o título do filme. Abutre é ave de grande porte que se alimenta de animais mortos.

É já no primeiro registro que o rapaz se dá bem. O telejornal matutino dirigido por Nina Romina, personagem de Rene Russo, começa também a crescer em audiência. A ocasião fez o ladrão. Ou melhor, o filme retrata perfeitamente como o ditado deveria ser: a ocasião faz o furto; o ladrão já nasce feito. Louis é como é.

O personagem cresce no desenrolar da trama e assistimos a um fato curiosíssimo, porém, familiar em nossa mídia ou em nosso comportamento diante da mídia. Pode ser que muitos espectadores sequer se espantem. É assistir para descobrir.

CaixaBelasArtesLogo

Jake Gyllenhaal, que perdeu dez quilos para chegar ao perfil ideal de Louis, poderá causar certa compaixão no espectador – pela aparência raquítica e pela solidão que parece sentir. Ao recitar aforismos de gurus do empreendedorismo, quando busca firmar sua posição de profissional competente, até parece que é um talento autêntico e dedicado que apenas não teve a sorte de encontrar uma oportunidade. O que revela, porém, é mais profundo.

O Abutre é um filme ágil e muitíssimo competente na empreitada de segurar o espectador. Assiste-se com vontade. É impossível desligar-se um instante sequer. Louis avança insaciável em cima de qualquer acontecimento que possa lhe dar reconhecimento ou dinheiro. Ambicioso, tenta envolver Nina a cada strike na audiência. Falta de escrúpulos é algo que os unem diametralmente. Louis se alimenta do maior medo de Nina e a torna refém. Este, que não teme qualquer tipo de julgamento, se apresenta como o profissional mais competente, e não se importa em não apresentar, junto com suas credenciais, qualquer tipo de ética – outro conceito tão relativo, principalmente quando um profissional está “apenas fazendo o seu trabalho”.

Tudo praticamente gira em torno da ética em O Abutre. Louis é culpado ou inocente, réu ou vítima? Louis deve ou não ser punido? O Abutre joga luz sobre o espetáculo que se tornou tudo, a vida e a morte, a onipresença da câmera e o seu poder mercantil. Um filme genial, instigante e aterrador.
***

Acompanhe a Fausto no Facebook!

Eliana de Castro Written by:

Jornalista pós-graduada em Cultura pela FAAP, é mestranda em Ciência da Religião pela PUC-SP. Contato: eliana.faustomag@gmail.com

Comments are closed.