Philip Roth: O Homem Comum para repensar a vida

Morte: assunto tabu.

Pouco se fala sobre morte. E poucos falam de morte. Exceção é Philip Roth.

É de bom tom não falar de morte porque há o falso imperativo entre nós: o da felicidade abundante, esta que nos rejuvenesce a cada dia.

Consequentemente, essa ideia reverte a “programação natural” do corpo, que se hoje vive, amanhã morrerá. Mas há uma suposição de que manter distância do assunto é de alguma forma adiar a morte. Algo então parece estar errado…

O Homem Comumde Philip Roth, é um romance que conta a história de… Bom, o nome do personagem não é citado. E não importa. De tão prosaico, ele pode ser qualquer um, nascido em qualquer lugar, em qualquer tempo, porque Roth parte do pressuposto – e isso gera uma identidade sem igual – de que alguns assuntos, acontecimentos e sentimentos são universais: a solidão, a dor de amar, a dificuldade de envelhecer, o medo da morte…

philip-roth
Philip Roth.

O Homem Comum foi lançado em 2006. No Brasil, um ano depois, em 2007. A cena que abre o livro é a do funeral do próprio protagonista. A morte é então o ponto de partida e a linha de chegada de toda a trama.

Conta-se que Roth começou a escrever o livro um dia depois do enterro do escritor canadense Saul Bellow, que morreu em 2005, aos 90 anos. Como Roth, Bellow era judeu. Não era apenas a consciência do fim de todo mundo que se revelaria neste episódio, mas uma questão pungente para o próprio Roth – que se vê em outros títulos como Nêmesis (2010) e Patrimônio (2012).

Então, o personagem deste romance começa sua jornada aos nove anos, quando é internado em um hospital e ao seu lado assiste a outro garoto morrer. O ocorrido o impressiona e vai, ao longo de sua vida, se repetindo, uma vez que o protagonista também vê outras pessoas morrerem. Pessoas próximas e nem tão próximas. À medida que vai envelhecendo, porém, sente a vulnerabilidade o engolir. Vulnerabilidade esta que é a própria condição do viver, que na juventude pouco se revela. O envelhecimento que Roth trata é como um massacre. Homens comuns bem o sabem.

O Homem Comum vai chegando próximo da morte que a história vai ficando mais interessante. É nestas últimas sequências que se torna impossível resistir à escrita obcecada do judeu nova-iorquino – não de nascença nova-iorquino, porque Roth na verdade nasceu em Nova Jersey, mas consolidou-se em sua obra como o judeu nova-iorquino.

Philip Roth em O Homem Comum leva a experiência da morte de um outro a todos os seus leitores, o que, indiretamente, faz com que experenciem as sensações do envelhecer e do morrer e assim passem a pensar em suas próprias vidas.

O que é sempre bom. Ainda que se descubra o que o homem comum de Roth descobre.
***

Acompanhe a Fausto no Facebook!

Eliana de Castro Written by:

Jornalista pós-graduada em Cultura pela FAAP, é mestranda em Ciência da Religião pela PUC-SP. Contato: eliana.faustomag@gmail.com

Comments are closed.