Relatos Selvagens: todo sentimento nu é dramático

Todo sentimento nu é dramático. E isso é o extraordinário em Relatos Selvagens. O filme nos reapresenta à nossa natureza bruta. Dirigido por Damián Szifron e produzido por Agustín e Pedro Almodóvar, o longa está em cartaz há mais de um ano e o apelo é para quem ainda não o assistiu.

O roteiro é pura criatividade, mas o melhor mesmo são as intenções nuas dos personagens. Com Ricardo Darín, Oscar Martinez, Leonardo Sbaraglia, Relatos Selvagens rediscute a noção de justiça, responsabilidade e respeito fazendo rir – ainda que seja o “rir para não chorar”. O filme é selvagem porque é exagerado, como tudo que é humano e não passou por filtros morais.

Relatos_Selvagens_Filme_Fausto
Cena de Relatos Selvagens.

A trama conta seis pequenas histórias sem nenhuma relação uma com a outra. Nenhum personagem ganha pela tentativa de heroísmo. Antes, são verdadeiros anti-heróis.

As histórias partem da possibilidade irregular de podermos realizar todas as nossas vontades. Mate se quiser matar, agrida se quiser agredir, faça justiça com as próprias mãos, assuma a vontade de não sustentar mais a própria vida, aproveite-se de qualquer situação que possa lhe proporcionar alguma melhoria de vida.

O território é mesmo fértil de lições “imorais”. Ou de desejos mal confessados. E, de algum jeito, os personagens levam a cabo muitas das nossas vontades, impossível negar.

Caixa_Belas_Artes_Logo

Relatos Selvagens trata da vingança e dos vários tipos de vingança, a ver três exemplos: a que praticamos com engenhosidade, dedicando horas a planejar o melhor jeito de torturar quem nos fez mal; a que resistimos, quando diante da possibilidade de ferir chegamos à conclusão óbvia de que nada vai apagar a dor sentida; e a que praticamos com calor, com todos os sentimentos inflamados, quase sempre uma reação imediata a algo que doeu. Essa, sim, talvez, a única vingança passível de se viver sem grandes julgamentos, porque é o tipo de vingança que nos deixa mais próximos da absolvição, por ser mais instintiva.

Fala-se ainda de arrogância, de amores perdidos e resgatados, do que não levamos às últimas consequências pela verdade de que nada deixará de ser como é. Também fala do contrário, do que levamos até às últimas consequências, o que inevitavelmente nos coloca em outro patamar de dignidade. Perante nós mesmos e, com sorte, perante os outros.

Por tudo isso é que tanto barulho em torno de Relatos Selvagens não é por nada. O filme é mesmo extraordinário. Apelo feito.
***

Acompanhe a Fausto no Facebook!

Eliana de Castro Written by:

Jornalista pós-graduada em Cultura pela FAAP, é mestranda em Ciência da Religião pela PUC-SP. Contato: eliana.faustomag@gmail.com

Comments are closed.