Maria Lucia Homem sobre Tim Burton: “Romantizar a infância é uma ficção adulta e defensiva”

Fausto coloca Tim Burton no divã. A psicanalista Maria Lucia Homem conversa com exclusividade sobre o cineasta que está às vésperas de estrear “Alice Através do Espelho” nos cinemas do mundo. Em recente visita ao Brasil, quando conferiu de perto as instalações de “O Mundo de Tim Burton” e inaugurou a exposição no Museu da Imagem e do Som, pode-se notar sua personalidade, no mínimo, curiosa. O homem que se diverte e tira self na praia com desconhecidos não se sente lá muito à vontade com flashes profissionais. A verdade é que expert ou não em cinema, é praticamente impossível não se envolver com sua maneira exótica de ver a vida. Com sensibilidade ímpar, Burton não faz filmes para crianças, mas de criança, o que leva a todos irresistivelmente ao seu universo lúdico e “sem filtros”. Entre agora mesmo – e mais um pouco – na mente deste gênio do cinema!

Tim Burton Press Conference

Fausto – À luz da psicanálise, qual é a explicação para desenhos violentos e sombrios, principalmente de crianças?
Maria Lucia Homem: O recém-nascido ainda não tem uma organização psíquica. Ele é altamente voraz, destrutivo e canibalístico. Tendemos a romantizar a visão do humano e da infância como algo doce e carinhoso. Isso é uma ficção adulta e defensiva contra o que é a infância. Vamos lembrar que Freud, há 100 anos, chocou o mundo quando falou da sexualidade infantil. E 20 anos depois, Freud falou sobre os grandes impulsos. Ou seja, além dos impulsos de vida, há também os de destruição. Desde sempre, temos movimentos que tendem ao que Freud nomeou como pulsão de morte. A infância é a mescla mais sem filtro de tudo isso. Essa é a base de todo o universo do Tim Burton, como também de todas as histórias infantis e dos contos de fada. A primeira formação do raciocínio é essa: sim e não, presença e ausência, prazer e desprazer. Depois, sofisticamos tudo isso e chegamos às ideias de bem e mal, vilão e herói, Deus e diabo. Isso tudo estar nos desenhos é menos perigoso do que não estar. É só uma elaboração dos conteúdos mentais. E o humano é isso.

De alguma forma Tim Burton usou os personagens que criou, principalmente o Edward, como uma maneira de lidar com os próprios sentimentos?
O que podemos dizer, de maneira generalizada, é que toda produção psíquica está ancorada em uma fantasia que o indivíduo está tentando elaborar. Isso acontece não apenas com o Tim Burton, mas com todos nós. É como se fosse um modo estrutural de funcionamento. Tudo aquilo que se vê, é a ponta do iceberg de outra construção. Exemplificando, mas de maneira generalizada: um lutador de jiu-jitsu profissional. Ele tem uma construção fantasística que lida com ideal de força, potência, agilidade e esperteza. Esse, claro, é o melhor cenário, quando o trabalho diz algo de você, porque tem gente que faz o que dá e vai ganhando a vida.

Qual leitura é possível fazer de um personagem que não pode tocar?
Ele não pode dar o elo básico que é o “dar as mãos” e ainda está condenado a fazer rupturas. Significa destruição? Talvez. Mas talvez signifique uma melancolia extrema de um menino que deseja fazer elo, mas que só consegue operar o corte. E a forma desse menino fazer o elo é desenhando o corte através do personagem que corta. Quando o menino mostra o desenho, ele faz o elo com o outro. É paradoxal. O que é e o que não é tem várias camadas.

Maria_Lucia_Homem
Maria Lucia Homem.

LEIA TAMBÉM:
ANDRÉ STURM: “ALGUMAS PESSOAS, NA ÉPOCA, FALARAM “O QUE DEU NESSE CARA? AQUELE MUSEUZINHO…”

O filme “Frankenweenie” foi rejeitado pela Disney justamente pelo caráter sombrio…
Tem uma pegada expressionista no Tim Burton, o jogo de luz e sombras. Tudo isso tem a ver com Freud e a ideia das sombras da psique. Não somos somente razão. Na virada do século 19 para o século 20, toda a forma de ver o mundo não está mais sob os cânones clássicos de simetria, racionalidade e ordenação. Ao contrário, é caos, pulsão, o sombrio, o mal, a destruição e o incompleto. São temas que estão na arte e no inconsciente. A cultura pop refaz uma apropriação ideológica desse “cânone” e desenha o mundo tal qual ele deveria ser. Ela faz uma ordenação e uma mitificação da vida. Não só a Disney, mas a cultura pop em geral, incluindo a publicidade. Incluindo uma estética e uma ética que são muito submetidas a uma ideologia produtiva especifica da nossa época. Não deixa de estar em jogo um sistema mental e ideológico que vai desenhar o que conceitualmente eu chamaria de ideais egóicos, ideiais de eu.

A introspecção de uma criança deve ser respeitada até que ponto?
A criança é um sujeito em formação, mas ela já tem uma textura subjetiva. Ou seja, ela gosta ou não gosta. Mas a criança tem o direito de se conhecer, de se exercer. E os adultos têm de dar a ela condições para comer, dormir, desenhar, conversar. É o dever da cultura. O nosso poder sobre a infância é menor do que imaginamos. Por outro lado, temos que fazer convites para o introspectivo, para que esse mundo externo alimente o seu mundo interior. Não para que o introspectivo mude e sim para que enriqueça essa textura que lhe é própria. Da mesma forma é com a criança hiperativa que está muito fora, que não consegue ficar em paz com ela. Prefiro mais o “let it be” e o “invite to be”.

Tim Burton acabou passando a ideia de que é possível ser “bem-sucedido” – entre todas as aspas sobre o que significa ser bem-sucedido – “apesar de” solidão ou excentricidade. Ele acabou se tornando um referencial. Ser minimamente autêntico ainda é uma das necessidades mais básicas do ser humano?
Interessante isso… Refletindo sobre esse esquema, esse é o lado bom e o lado mau de encontrar um objeto de identificação. Ao encontrá-lo, você se apazigua. Acalma um pouco a angústia. Por outro lado, a potência do sofrimento continua ali. É interessante ter uma identificação que proporcione alento, mas como fazer para transformar a potência dessa identificação em ruptura? Fica aí uma boa pergunta.

LANÇAMENTO! “O ESTRANHO MUNDO DE  TIM BURTON”

Estranho_Mundo_Tim_Burton_Entrevista_Maria_Lucia_Homem_Fausto

Fausto_Facebook_Botão

Eliana de Castro Written by:

Jornalista pós-graduada em Cultura pela FAAP, é mestranda em Ciência da Religião pela PUC-SP. Contato: eliana.faustomag@gmail.com

Comments are closed.