Os quartos de São Miguel Arcanjo

São Miguel Arcanjo, chefe das legiões angélicas, mediador entre o bem e o mal; seus quartos são os corações humanos.

Desde católicos a ortodoxos, mas, sobretudo, os crentes de crenças reduzidas, o arcanjo tem lugar de predileção até nos corações desses, cujos ânimos são cumes montanhosos em que há sempre neblina.

Não espanta que indivíduos melancólicos, céticos e até niilistas apreciem cidades religiosas como Ouro Preto, porque nelas se deparam com uma beleza dicotômica — ainda que transcendental, mas ela não aplaca, sozinha, nossa eterna busca de sentido.

Bem a verdade, o mais próximo que conseguimos chegar de um sentido é quando tomamos consciência dessa dicotomia — o imanente e o transcendente — que é, num aspecto mais amplo, o que há em nossos quartos.

Leu coração?

Todo coração é um quarto.

De objetos sagrados, de sentimentos feitos de segredos, de intimidades indispensáveis para que nos sintamos pertencentes a algo verdadeiro. Um quarto é necessário para uma “nudez primordial

Os quartos de São Miguel Arcanjo têm seu rosto no topo de cada porta de madeira maciça, que exala o cheiro forte da passagem do tempo, e é possível sentir sua textura robusta, além de apreciar a cor escura da elegância.

São Miguel Arcanjo é o ícone da elegância no céu dos paradoxos.

Quando o arcanjo entra em seus quartos de cortinas vermelho carmim, sabe lidar, sem julgar, com o sombrio e o genuíno, com a densidade de emoções legítimas e das que são sintomáticas de tanta batalha interior.

Mas São Miguel Arcanjo não deixa murchar o sentimento de pertença, por isso nos convida a desfrutar de todos os espaços da vida e nos capacita a enxergar em cada objeto diante de nós se ali existe alma.

Com isso quero dizer “história”…

À beira da lareira, São Miguel Arcanjo aquece nosso espírito com seu fole soprador e chispa os medos.

A primeira lição é postura de mesura pelos que vieram antes de nós e nos deixaram belas histórias.

Senhor do aconchego, prepara a mesa com bolos caseiros, chás e café fresco e não deixa escapar o esplendor do ornamento nas toalhas, nos talheres, na mesa de vidro que protege pedras antigas das ricas Minas Gerais.

Tudo é história cotidiana, mas que se eternizou. Tudo que é eterno se releva no cotidiano.

Quando um coração se propõe a ser quarto de São Miguel Arcanjo, deixa de usar a palavra desencontro.

Objetos se tornam sagrados, nasce uma paixão por janelas abertas, pois diante delas desenvolvemos o olhar para a fé, que nada mais é do que tornar os enigmas da vida uma lança, como a dele.

Vivemos entre culpas e compensações. Entre objetos religiosos e sensuais. Entre a mística e o pragmatismo. Hora de acordar, pois o galo canta.

Aprendi uma reza para São Miguel Arcanjo, em Ouro Preto, meu canto preferido de exercício de minha aceitação, que é agridoce.

De dentro de meu quarto poético, cuja companheira é a solidão, quando rezo faço da experiência um sistema, e me educo para a liberdade, deixando que cada dia se revele — em seu bem e em seu mal.

Amém.

Então me sento no sofá marrom de veludo, ao canto do abajur de luz âmbar, e começo a escrever.

Porque nos quartos de São Miguel Arcanjo há histórias de pessoas comuns que, como eu, desejam entender a mocidade a tempo de crer que tudo é banalidade.

Exceto a beleza.
***

Acompanhe nosso belíssimo Instagram!

Eliana de Castro Escrito por:

Fundadora da FAUSTO, é escritora, mestre em Ciência da Religião e autora do romance NANA.

Os Comentários estão Encerrados.