1963: um ano depois e From Russia With Love é um dos melhores

Apenas um ano depois da estreia de Dr. No, James Bond volta às telonas. O ano é 1963. From Russia With Love – ou o título em português Moscou contra 007 – foi baseado na publicação de Ian Fleming de 1957.

Um dos livros preferidos do então presidente dos Estados Unidos John Kennedy, ao declarar tal predileção o político define a escolha do diretor, Terence Young, para o segundo filme da saga, que estreou em 10 de outubro de 1963.

Com Sean Connery retornam os mesmos produtores: Albert Broccoli e Harry Saltzman. A bela atriz italiana Daniela Bianchi é quem vive a bondgirl. Apesar de não ser uma continuação de Dr. No, a produção pega o gancho da morte do vilão do primeiro longa para dar início à aventura da vez.

From Russia With Love, filme de James Bond de 1963.

Uma emboscada armada pela SPECTRE, para vingar a morte de No, leva Bond a Istambul a fim de resgatar a agente soviética Tatiana Romanova, vivida por Daniela Bianchi. Em troca de asilo no Reino Unido, Tatiana, isca da SPECTRE, promete dar à M16 uma importante máquina descodificadora, a Lektor, interesse não só da M16 como da CIA.

Um adendo: a organização criminosa SPECTRE é usada apenas no filme. No livro, ela se chama SMERSH.

M desconfia da oferta e alerta Bond.

Claro, seduzido pelo desafio de desarmar a cilada, Bond parte para a cidade turca. Munido, claro, com as armas e os aparatos altamente desenvolvidos por Q, interpretado pelo lendário Desmond Llewelyn. É neste segundo filme que o inventor nasce. E Desmond Llewelyn viverá o personagem em quase todos os filmes, até sua morte, em 1999.

Sobre Daniela Bianchi, Ian Fleming chegou a dizer: “Seus olhos eram brilhantes, seus lábios úmidos e separados naquela boca celestial… Seu corpo alto e firme se movia particularmente bem. Ela parecia uma jovem Greta Garbo.” Broccoli discorda totalmente.

É neste segundo filme também que surge a famosa música tema. From Russia With Love é uma balada composta por Lionel Bart, um famoso compositor de música pop e de musicais da época. A interpretação é feita pelo cantor inglês Matt Monro.

Desafiando os costumes, a personagem Rosa Klebb, vivida por Lotte Lenya, é lésbica.

Lotte Lenya foi esposa do compositor alemão Kurt Weill, e tocou na primeira noite da Ópera dos Três Vinténs, em Berlim, 1928, no teatro Berliner Ensembler. Segundo o ator Walter Gotell, que viveu o personagem Morzeny: “Ela era o ser humano mais delicioso que se poderia desejar conhecer“, embora no filme fosse uma vilã daquelas de dar medo.

Lenya tinha gostado da ideia do papel, mas estava preocupada com o fato de a personagem ser lésbica. No livro, Rosa tenta seduzir Tatiana, embora no filme Rosa tenha aspecto mais circunspecto. Ela chega a tocar nos joelhos de Tatiana e passa a mão em seu rosto. A cena foi cuidadosamente feita por Terence Young, que representou os dois papeis.

A intenção dos produtores Albert Broccoli e Harry Saltzman era lançar um filme por ano. Dado o sucesso da primeira produção, o orçamento dobrou para dois milhões de dólares. O lançamento do longa, apenas um ano depois da estreia da saga, confirmaria o sucesso do agente para além dos livros.

O total de arrecadação passou, naquele ano apenas, de 78 milhões de dólares! From Russia With Love ganhou um prêmio BAFTA; e a canção tema, um Globo de Ouro.

Todo o processo de filmagens sofreria apenas um grande abalo. Durante as gravações, Terence Young percebeu que o ator Pedro Armendárizm, que deu vida ao agente turco Kerim Bey, estava com forte depressão devido à descoberta de um câncer. Na trama, Pedro vive o forte aliado de Bond na missão e vai até o fim das gravações, mesmo com muita dor. Logo após, contudo, e infelizmente, viria a cometer suicídio com um tiro na cabeça. Anos antes, seu amigo íntimo, Ernest Hemingway, fizera o mesmo.

Istambul fascina pelo contraste entre Oriente e Ocidente. Uma das fotografias mais bonitas da saga, as cenas dão ênfase aos tons de cinza e azul. A forma de ser cosmopolita da cidade tem um surpreendente toque místico, que o diretor valoriza. Situada parte na Europa e parte na Ásia, Istambul revela-se em suas mesquitas e palácios, além de fortalezas e muralhas. Neste longa, fica clara a tendência que viria a se repetir em todos os outros filmes: os hotéis em que Bond se hospeda são sempre luxuosos, espaçosos e propícios para seus romances fugazes.

Belos enquadramentos também são os gravados em Santa Sofia, uma das basílicas mais famosas de Istambul, construída entre 532 e 537 pelo Império Bizantino, hoje um museu. Outro ponto a salientar desta produção é o figurino atemporal dos principais atores, sempre seguindo uma escala de cinza e azul. Há uma valorização nítida do estilo clássico de se vestir e dos bons cortes.

Comparando From Russia With Love com Dr. No, é nítido o quanto este segundo filme é muito mais rebuscado, com variação de cenários incomparável, além das tomadas mais complexas como as que são exibidas nos trinta minutos finais da trama, no trem Expresso do Oriente.

Mal dá para acreditar que apenas um ano se passou entre uma produção e outra. O empenho do diretor, dos produtores e dos roteiristas fica evidente e só confirmaria o sucesso da saga, um filme a após o outro.

 

Fausto

Fausto

Eliana de Castro Escrito por:

Idealizadora da FAUSTO, é ensaísta, mestre em Ciência da Religião pela PUC-SP. Contato: eliana.faustomag@gmail.com

Os Comentários estão Encerrados.