Francofonia é mais uma obra magnífica de Aleksandr Sokurov

Como seria viver sem ter visto o olhar de quem viveu antes de mim?

De Aleksandr Sokurov, Francofonia – Louvre sob Ocupação é um documentário que merece não apenas ser visto como revisto, e revisto, e revisto.

Porque é profundo, porque é belo e porque aponta contradições instigantes da História e revela uma das formas pelas quais entramos em contato com essa mesma História.

Francofonia

Ambientado nos anos 1940, quando a França foi ocupada pela Alemanha nazista, Francofonia mostra como o Museu do Louvre, de modo algum alheio às decisões políticas desde a sua fundação, atuou para preservar suas mais preciosas coleções no período pré-guerra.

O texto é narrado pelo próprio Sokurov e é intenso. Evidencia a impossibilidade de ler com precisão a história do mundo porque ela sempre será contada por alguém que possivelmente jamais será capaz de ser imparcial – e possivelmente jamais quererá.

As imagens são extraordinárias! Do sobrevoo por Paris, ressaltando sua cor encardida, às fotografias dos tempos mais remotos do museu, o filme acaba por se tornar exatamente como o objeto que analisa: impossível compreendê-lo em sua totalidade se visto apenas uma vez. E não é assim mesmo o próprio Museu do Louvre?

Caixa_Belas_Artes_Logo

Aleksandr Sokurov recorre poucas vezes a recursos tecnológicos, mas emociona quando o faz, como quando mostra como o museu foi crescendo em tamanho, diante do campo vasto e verde de Paris.

E mais! O documentário também mostra que não importa o quão frio e cruel tenham sido os corações dos grandes líderes do mundo. De Napoleão a Hitler, passando por todos os demais que não ecoaram na História, mas que tiveram influência na gestão do Louvre, a verdade é que diante da Arte, todos sucumbem.

Mas está a Arte acima do bem e do mal? Acima do poder? Ou ela é apenas mais um instrumento de manipulação?

O filme encanta, levanta perguntas interessantes, contrapõe o tempo todo as motivações do homem: “Cada coração tem o seu próprio oceano.”

Intensidade parece mesmo ser o que corre nas veias de Sokurov – que é o mesmo diretor do fabuloso Fausto: “Cada um aqui riu, chorou, matou, se arrependeu…

Que a Arte conta a história do mundo, é desnecessário dizer. Ingênuo, porém – e esta parece ser a proposta do cineasta russo – é acreditar que a Arte não direciona o nosso olhar para onde quem está no poder deseja que olhemos.

Como arremata Sokurov: “Os objetivos do Estado e da Arte raramente coincidem”.
***

Acompanhe a FAUSTO no Facebook!

Eliana de Castro Written by:

Idealizadora da FAUSTO, é ensaísta, mestre em Ciência da Religião pela PUC-SP.

Comments are closed.