Sílvia Pérez Cruz é um privilégio

Sílvia Pérez Cruz. Esse é o nome da catalã de voz nada óbvia. O álbum para ouvir de pronto é Domus. Faça isso em um dia de nebulosidade interior. Funciona como prólogo de oração que sai na marra.

Uma das vozes mais interessantes de nosso tempo, Sílvia Pérez Cruz é um privilégio. Se folk, se flamenco, tanto faz, o que importa é sua entrega e intensidade. Intensidade!

Quando grita é como uma despedida daquelas que levam de nós o que ninguém mais tem. Canta em catalão, espanhol, português e galego. Com nossa língua flerta o tempo todo e graciosamente, como se pudesse ainda mais.

Sílvia Pérez Cruz.

Nascida em Palafrugell, em 15 de fevereiro de 1983, é filha de pais músicos. Não tenha certeza se alma assim se ensina ou se aprende; ou se fatalmente é por causa do tal gene. Seus pais são Càstor Pérez Diz e Glòria Cruz i Torrellas.

Numa família de liberdade – sorte! – é mais fácil ser autêntica. Assim foi com Sílvia, que teve mãe e pai que a trataram ainda em tenra idade como adulta e nunca negaram a ela o direito de se exercer como queria.

Formada em canto-jazz pela Escola Superior de Música da Catalunha, Domus, de 2016, é resultado de sua participação no filme Cerca de tu casa, de Eduard Cortés. Sílvia compôs toda a trilha sonora.

Entretanto, não é só esse álbum que merece a entrega do ouvinte possuído. Vestida de Nit, por favor, álbum de 2017. Loca é belíssima!

Aos de fragilidades mil – mim e tu, sabe-se lá – Sílvia Pérez Cruz reorganiza tudo o que está de vísceras para o ar. Ela mesma já disse que a música é uma forma de limpeza e não tem medo da exposição de suas feridas. A arte tem mesmo isso de tirar a pessoalidade e tornar universal.

E o que ela diz é sensualíssimo! “Até porque há muitas formas de se contar algo íntimo sem que se entenda. Posso ter toda essa intimidade num simples ‘ah’.” Pode tudo, mulher!

Há, sim, vozes salva-vidas, como os barcos.

Quantas e quantas vezes Scott Matthews me salvou?

Sobre ele ainda um dia escreverei, quando eu puder dar conta do que sei que não sou capaz ainda. Quem vive das palavras é prudente quando tem medo delas. Canções nos tornam, nos desmembram e nos refazem. A música é como uma escuta clínica daquilo que ainda não foi dito. São palavras dos outros, mas são nossas.

Tem razão o luso jornalista Gonçalo Frota quando escreve que toda canção que canta Sílvia Pérez Cruz se torna a mais emocionante do mundo. Quem já se cansou de escutar Chorando se foi ou Hallelujah? Ouça Pérez.

Bom jeito de encerrar a jornada por sua obra é En La Imaginación, de 2016, o mais jazzístico. O menos triste.

Sílvia Pérez Cruz é sensível, livre, profunda, triste, selvagem; é sensual e, não ignoro a tradição, associo a melancolia de sua música à genialidade de sua música.

Por que todo ser de exceção é melancólico?” pergunta Aristóteles.

 

Dedico a Leonardo Gonçalves, quem me apresentou Sílvia.

Fausto

Fausto

Fausto

Eliana de Castro Escrito por:

Idealizadora da FAUSTO, é ensaísta, mestre em Ciência da Religião pela PUC-SP. Contato: eliana.faustomag@gmail.com

Os Comentários estão Encerrados.