Puma: a feiura dessa coisa que é escrever

Inquestionável a função formadora da literatura, essa que torna os dias frios sensuais e os quentes prenúncio de bons tempos.

Sobre ela encena Puma, um dos espetáculos mais brilhantes que assisti nos últimos tempos, estrelado por Ricardo Gelli, com texto de Sérgio Mello.

É para escritores.

Ou para apaixonados por literatura, que é “coisa do alto”. Porque é na vida de imaginação que encontramos primeiro as soluções da vida concreta.

Em Puma, aborda-se três gerações de escritores de uma mesma família, que vivem na mesma casa. Três homens, mil feridas.

Nenhum dos laços é de afeto; e, paradoxalmente, é o deslace que une avô, pai e filho — além dos segredos que ficam em aberto e parecem ser o cimento dessa construção familiar apenas com reboco.

Por isso mesmo nada poderia ser mais instigante!

Montado na Oficina Oswald de Andrade, no Bom Retiro, a peça é a prova de que com apenas 60 minutos — e essa duração deveria ser prerrogativa, com raríssimas exceções — é possível apresentar um texto profundo com atuação visceral; destarte, uma experiência para aplaudir de pé e bradar: “Bravo!”

São tantas as excelentes frases que ficamos tentando memorizá-las, até que perdemos a frase seguinte, quem sabe a mais determinante da história — ou de nossa própria história, pois nossos deslaces, com ou sem literatura, demandam igual dedicação para elaboração e compreensão.

Não sem razão um bom contador de histórias tem a veneração de um santo. Ele possui não apenas as palavras, mas também põe a lume seus significados. E esses significados costumam ser tão precisos que passam a ser os significados dos outros.

No limiar das feridas abertas dos personagens, o audacioso e inteligentíssimo politicamente incorreto nos faz sentir em casa — ainda que muitos sejam incapazes de admitir.

Porque é isso, a literatura — como o teatro — é o espaço mais livre que pode haver. Puma chafurda o mais pungente da natureza humana.

Sem rodeios.

Voltando para casa, lembrei-me até de uma frase do português Pedro Mexia: “O eufemismo é inimigo da lucidez.”

O texto destoa da criatividade de nosso tempo e do curso de nossa história… E nada poderia ser mais brilhante!

Se não entramos duas vezes no mesmo rio, como disse Heráclito, não é o mesmo aquele que começa e termina um livro, ou assiste a uma magnífica peça, como Puma.

Depois de uma experiência com a arte, em qualquer linguagem, ainda que tudo permaneça igual fora de nós, acontece em nosso íntimo uma pequena transformação, erupção de sentimentos novos que saltam da escuridão.

E, sim, passamos a ter mais coisas com as quais lidar.

Sou escritora. Compreendi os desvãos do texto de Sérgio Mello. E é verdade: tem que gostar da feiura dessa coisa que é escrever.

Quem escreve, em cada palavra flerta com a morte.

Por isso levo a sério minha vocação. Minha própria pessoa é determinante: escrevo para os que se respeitam.

Em Puma, quem não é escritor, mas ama as belas letras, sabe o refúgio que é o livro, único consenso entre os deuses. E nos salva da família. Quantas, construções apenas com reboco.

 

Eliana de Castro Escrito por:

Fundadora da FAUSTO, é escritora, mestre em Ciência da Religião e autora do romance NANA.

Os Comentários estão Encerrados.